Eurordis - European Organisation for Rare Diseases - Home Page

    Página principal Boletim informativo Fazer um donativo Pagamentos em linha
Contacte-nos Obtenha ajuda Aumentar tamanho do texto
 
 
Você está aqui : Página Principal em português / Doenças raras e medicamentos orfãos / Viver com uma doença rara / A Fibrodisplasia Ossificante Progressiva (FOP) /
  A Fibrodisplasia Ossificante Progressiva (FOP)
Versão para impressão Print
Quem Somos

Membros da Eurordis

O que Fazemos

Doenças raras e medicamentos orfãos

Sítios Web Sobre Doenças Raras

Actualidades, Acontecimentos e Boletim Informativo

Publicações

  © Eurordis
Todos os direitos reservados.
Sobre este sítio web
Declaração de exoneração de responsabilidade
Política de Privacidade
Mapa do sítio
 

VIVER COM UMA DOENÇA RARA

A Fibrodisplasia Ossificante Progressiva (FOP)

Manuel and his family | Manuel et sa famille | Manuel y familia | Manuel e famiglia | Manuel e família | Manuel und Familie - 15 kbManuel vive na Argentina e tinha apenas 4 anos quando lhe foi diagnosticado Fibrodisplasia Ossificante Progressiva (FOP), uma doença genética extremamente rara que afecta 1 pessoa em cada 2 milhões. A FOP é uma doença em que se forma osso nos músculos, nos tendões, nos ligamentos e noutros tecidos conjuntivos - é um fenómeno extremamente raro. Formam-se pontes de osso adicional por cima das articulações, com padrões característicos que progressivamente vão restringindo os movimentos. A FOP é uma doença em que o corpo não só produz osso em excesso, mas também um esqueleto adicional. Manuel teve o seu primeiro episódio doloroso em 2000, quando tinha 3 anos. Estes episódios ocorrem quando o corpo começa a produzir osso novo, o que provoca o edema (inchaço) dos tecidos. Normalmente este processo é bastante doloroso. Inicialmente suspeitou-se que os sintomas que apresentava eram sinais de cancro. «O Manuel foi submetido a bastantes exames», explica a sua mãe, Moira. «Até uma biopsia fez, o que é completamente desaconselhado no caso da FOP, porque o choque da biopsia provoca a formação de osso novo no local do impacto. O primeiro diagnóstico indicava que ele tinha miofibromatose, a que se seguiu outro de fasceíte. Comecei por enviar 800 mensagens de correio electrónico para hospitais de todo o mundo, com uma descrição dos sintomas que o meu filho apresentava! Nunca ninguém tinha visto nada assim, por isso começámos a pensar que o diagnóstico inicial estava errado. Uma das respostas que recebemos sugeria o nome de um médico na Argentina e foi ele que finalmente fez o diagnóstico correcto em Março de 2001.»

bone | os |hueso | osso | Knochen - 3.5 kbA FOP partilha muitas características adversas com outras doenças raras e muito raras: atrasos nos diagnósticos, que por vezes são incorrectos, inexistência de tratamento, poucos conhecimentos científicos e falta de informação sobre a doença entre os profissionais de saúde. Pouco depois do diagnóstico, Moira e o seu marido tiveram conhecimento da International Fibrodysplasia Ossificans Progressiva Association - IFOPA (Associação Internacional da Fibrodisplasia Ossificante Progressiva). «A associação deu-nos toda a informação de que precisámos. Tivemos de aprender muitas coisas novas, tal como adaptar a casa para o Manuel e como falar sobre a FOP com ele e com a nossa família... Tivemos a sorte desta comunidade pró-activa ter feito importantes avanços nos últimos 16 anos em relação aos conhecimentos sobre a doença», continua Moira. A IFOPA tem membros em 50 países diferentes e o seu sítio web tem fóruns de discussão em que as pessoas podem trocar informações em espanhol, inglês e português. Moira Liljesthröm acabou por ser um membro activo da comunidade da FOP ao ajudar a criar o grupo latino-americano da FOP (ALAFOP), em 2003, uma rede de cerca de 80 pessoas afectadas pela doença, de 10 países latino-americanos. Mais recentemente, ela e o marido fundaram a Fundación FOP na Argentina, que, para além de se dedicar à FOP, está a levar a cabo um projecto de investigação sobre a situação social, médica e legal das pessoas afectadas pelas doenças raras na Argentina. Este projecto é financiado pela Agência Científica e Tecnológica do Governo Federal da Argentina. No que respeita a este projecto, Moira pensa que a Eurordis pode ajudar a Fundación FOP. «Podíamos aproveitar a experiência da Eurordis relativamente à forma de realizar inquéritos de investigação, como os inquéritos EurordisCare 1 e EurordisCare 2. Penso que a cooperação entre redes, grupos e associações poderá ajudar a colocar as doenças raras nas agendas de saúde pública e a aumentar o grau de consciencialização sobre elas.»

Manuel and his family | Manuel et sa famille | Manuel y familia | Manuel e famiglia | Manuel e família | Manuel und Familie - 7.9 kbUma das razões para continuar a ter esperança diz respeito à descoberta do gene da FOP, em 2006, por investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia, nos EUA. A descoberta do gene da FOP e da mutação que provoca a FOP proporciona um alvo bastante específico para o desenvolvimento futuro de medicamentos que não se limitem a tratar os sintomas mas que tratem a própria doença. Esta investigação foi parcialmente financiada pela IFOPA. Actualmente, o Manuel está no 5.º ano e frequenta uma escola com um ambiente seguro para limitar os traumatismos que ele possa sofrer. «O Manuel tem alguma dificuldade em levantar os braços e em dobrar o tronco, mas isso não o impede de brincar e de fazer muitas outras coisas!» conclui a sua orgulhosa mãe.


Este artigo publicou-se previamente no número de Junho de 2007 de nosso boletim informativo.


Autor: Nathacha Appanah
Tradutores: Ana Cláudia Jorge e Victor Ferreira
Fotos: Todas as fotos © Liljesthröm excetuam osso © Clara Natoli

04/2009